• Instituto Hori

TEMPO É MESMO DINHEIRO? - por Jamile Santana



Foto: https://lsr-asi.org/wp-content/uploads/2020/04/corona_favela-2020.jpg



Refletindo sobre os últimos 5 meses ao qual o Brasil foi sacudido por uma pandemia que chegou ao nosso país, pelo chamado processo de globalização e mundialização, nos recentes dias tenho analisado como todo esse processo balançou literalmente as nossas estruturas. Sejam essas estruturas objetivas tendo a fundamentação dada pelo viés econômico ou ainda sob o viés subjetivo através da nossa saúde mental e psicológica.


Não sou especialista no campo da saúde mental, porém as nossas subjetividades foram também colocadas na centralidade deste processo; nem todos tivemos os mesmos impactos em decorrência desse vírus que é biológico, mas que trazem impactos sociais macro estruturais e infelizmente como já indicado em pesquisas podem ser de longo prazo. Tal realidade, possibilitou o olhar atento a como nos vemos na sociedade, aqui parto de uma auto análise mas que serve para promover reflexões ampliadas desse processo que incide diretamente em corpos que são estruturados para serem rentáveis e excessivamente consumistas e produtivos. Por que digo isso? Pois em uma realidade que o índice de desempregados e alentados só cresce atrelado a necessidade de um suporte efetivo do Estado, que em tempos atuais ainda mais excessivamente está a serviço dos anseios capitalistas e meramente econômicos, nós enquanto pretos e pretas, classe trabalhadora somos jogados a nossa própria sorte.


Sorte no aspecto de correr contra o tempo e acharmos uma vaga hospitalar caso sejamos acometidos pelo Covid-19 de forma grave; Sorte em ter que ir para a batalha do trabalho ou da busca da renda para nos alimentarmos e alimentarmos a nossa família e chegar em casa e não infectar aqueles que amamos e que podem e devem estar em casa como nossos mais novos e mais velhos; Sorte em ter uma realidade sócio econômica que permita que você fique em casa e não tenha abalado suas necessidades vitais de sobrevivência e dou uma “viva” para quem pode ter essa realidade; Sorte em ter tido inspiração para diante de cenário tão desalentador poder ter ressignificado quais são as prioridades e reais necessidades. E confesso que me encontro neste último estágio de sorte, pois cada dia que passa e com mortes que alcançam mais de 100.000 VIDAS somente no Brasil, em contrastes a outras vidas que seguem sua cotidianidade e que precisa comemorar e comprar no shopping suas necessidades de consumo urgentes e inadiáveis, entre outras vontades que no processo de urgência do capital não podem ser deixadas para depois.


Repenso e reflito o que chegou a ser cogitado em um dado momento de análise em meio a pandemia e que para mim está em questão, que é o pensamento que após essa pandemia que ainda vivemos, teremos outros seres humanos? Mais empáticos, altruístas e com ações que busquem a coletividade efetiva, desenvolvimento sustentável com ações de salvar o meio ambiente e promover o bem viver social? A realidade e os noticiários jornalísticos evidenciam uma distância enorme dessa utopia. Infelizmente. Então, enquanto o ideário neoliberal nos incute a ideia de que tempo é dinheiro e as notícias demonstram a preocupação existente e que é fundamentada em necessidades de que a economia não deve ser esquecida, menosprezada, assistimos à crescente da banalização das mortes e aí ficamos com os índices recentes de quem é que está morrendo (pretos e pobres periféricos) majoritariamente nesta realidade social perversa e concluímos que na verdade mesmo, tempo não é dinheiro. Tempo é vida e estamos perdendo…




Referências:


https://www.bbc.com/portuguese/internacional-51766452


https://portal.fgv.br/noticias/estudo-estima-queda-economia-brasileira-pode-chegar-45-conta-covid-19


https://g1.globo.com/bemestar/coronavirus/noticia/2020/04/11/coronavirus-e-mais-letal-entre-negros-no-brasil-apontam-dados-do-ministerio-da-saude.ghtml


https://g1.globo.com/bemestar/coronavirus/noticia/2020/05/15/do-no-real-de-mortes-ao-avanco-dos-casos-na-periferia-veja-4-indicadores-que-o-brasil-nao-tem-sobre-a-pandemia-de-coronavirus.ghtml


https://valor-globo-com.cdn.ampproject.org/v/s/valor.globo.com/google/amp/brasil/noticia/2020/08/09/mortes-por-covid-19-tm-mais-relao-com-autnomos-donas-de-casa-e-transporte-pblico.ghtml?usqp=mq331AQFKAGwASA%3D&amp_js_v=0.1#aoh=15971573994231&amp_ct=1597157441307&csi=1&referrer=https%3A%2F%2Fwww.google.com&amp_tf=Fonte%3A%20%251%24s&ampshare=https%3A%2F%2Fvalor.globo.com%2Fbrasil%2Fnoticia%2F2020%2F08%2F09%2Fmortes-por-covid-19-tm-mais-relao-com-autnomos-donas-de-casa-e-transporte-pblico.ghtml

(71) 9.8877 - 4642

COPYRIGHT © INSTITUTO HORI - EDUCAÇÃO E CULTURA. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.